"Está incorporado para que não aconteça novamente", diz Colombo sobre conflito entre as polícias - Segurança - O Sol Diário

Segurança20/02/2017 | 14h40Atualizada em 20/02/2017 | 15h09

"Está incorporado para que não aconteça novamente", diz Colombo sobre conflito entre as polícias

Secretário de Segurança Pública também falou sobre o caso

"Está incorporado para que não aconteça novamente", diz Colombo sobre conflito entre as polícias Cristiano Estrela/Agencia RBS
Foto: Cristiano Estrela / Agencia RBS

O alto escalão do governo do Estado falou pela primeira vez nesta segunda-feira sobre o conflito entre as polícias Civil e Militar de Santa Catarina iniciado na madrugada do dia 11 de fevereiro, durante a operação contra a ação de assaltantes de caixas eletrônicos em São João Batista. Após a prisão de três suspeitos e a morte de outros três, a PM questionou não ter sido avisada pela Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic) sobre a ação. Três dias depois, o tenente Paulo Renato Farias, comandante da companhia militar em São João Batista, foi até a coletiva da Deic para tirar satisfações sobre o ocorrido. Ele acabou preso por policiais civis, mas um dia depois foi solto.

Esse fato aumentou a tensão na relação entre as duas corporações, já fragilizada por episódios anteriores. Na coletiva do anúncio da contratação de 1.084 policiais militares nesta segunda-feira, o governador Raimundo Colombo comentou o impasse. Segundo ele, o fato serve de lição para futuros problemas:

— A Polícia Civil não podia avisar, era um serviço de inteligência. Mas isso está resolvido e incorporado à nossa cultura para que não aconteça novamente.

O secretário de Segurança Pública, César Grubba, que ainda não havia falado sobre o caso, diz que o comandante-geral da PM, Paulo Henrique Hemm, e o delegado-geral da Polícia Civil, Artur Nitz, já foram chamados para tratar do assunto. Grubba analisou os dois momentos e criticou a postura do tenente:

— Em São João Batista tivemos uma ação policial de pleno êxito, com tombamento dos criminosos. Não há obrigatoriedade de toda ação ser comunicada. É sempre de bom tom do relacionamento que isso ocorra, mas não há obrigatoriedade, até por estratégia policial. Já o tenente Paulo Renato Farias, no meu ponto de vista, teve uma atitude equivocada de se misturar à paisana vestido como estava para participar de uma coletiva da Deic.

 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioGrêmio larga na frente, cede empate ao São Paulo e diferença para o líder agora é de oito pontos https://t.co/xnrAeJVEBzhá 5 horas Retweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioQuem são os condenados por Moro que o TRF4 absolveu https://t.co/p4ItAiYcxkhá 6 horas Retweet

Veja também

O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros