Forças Armadas deixam ruas do Rio, mas permanecem no Espírito Santo - Segurança - O Sol Diário

Segurança21/02/2017 | 20h43Atualizada em 21/02/2017 | 20h43

Forças Armadas deixam ruas do Rio, mas permanecem no Espírito Santo

Presença dos efetivos do Exército, Marinha e Aeronáutica em território capixaba será prorrogada por 13 dias além do que estava previsto

Forças Armadas deixam ruas do Rio, mas permanecem no Espírito Santo Tânia Rêgo/Agência Brasil
Foto: Tânia Rêgo / Agência Brasil
Agência Brasil
Agência Brasil

Após manifestação da Procuradoria-Geral da Justiça Militar, o Ministério da Defesa anunciou que as Forças Armadas vão deixar as ruas cariocas nesta quarta-feira. Com o fim da chamada Garantia da Lei e da Ordem (GLO), os militares deixarão de atuar na segurança das cidades do Rio de Janeiro, de Niterói e São Gonçalo.

De acordo com o ministério, a procuradoria militar enviou um documento ao presidente Michel Temer recomendando a não permanência das tropas federais no Estado, sob a alegação de que as missões não podem ser encaradas como uma "simples substituição às atividades de segurança pública ordinárias". O entendimento é de que as Forças Armadas devem limitar a sua atuação ao "mínimo indispensável" em ocasiões como essa, que as afastam de sua "missão típica".

Leia mais
Justiça condena dois acusados de envolvimento em estupro coletivo no Rio
Mais de 1,1 mil PMs do Espírito Santo responderão a inquéritos
Mais da metade dos mortos no ES durante paralisação da PM era da periferia, afirma sindicato

Por outro lado, a presença dos efetivos do Exército, Marinha e Aeronáutica no Espírito Santo será prorrogada por 13 dias além do que estava previsto. Na semana passada, o governo já havia autorizado a permanência dos 3.450 militares na Operação Capixaba até quinta-feira.

Para o ministro da Defesa, Raul Jungmann, a diferença se dá porque as polícias militares ainda estão desfalcadas em cerca de 30%. "No Espírito Santo, a situação de falência da Segurança Pública é evidente. Por isso, iremos renovar a GLO. Conversei com assessores e decidi que mais 13 dias serão necessários, e agora deve-se fechar a logística", informou o ministro, segundo sua assessoria de imprensa.

Solicitada pelo governador do Estado ou do Distrito Federal, em casos excepcionais, a GLO é feita ao presidente da República quando há insuficiência das forças estaduais de Segurança Pública. Desde o início do mês, familiares de policiais militares impedem a saída de viaturas dos batalhões no Espírito Santo, contribuindo para uma paralisação que tem gerado grave crise de segurança no Estado.

Leia as últimas notícias de Polícia

*Agência Brasil

 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioAlmirante Barroso vence o Tubarão em casa mas é rebaixado no Catarinense https://t.co/C9XEGrEklbhá 21 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioInter vence o Caxias nos pênaltis e está na decisão do Campeonato Gaúcho https://t.co/RBW009hDEahá 21 minutosRetweet

Veja também

O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros