"Cadê mamãe?", pergunta filha da mulher morta a facadas em Biguaçu - Segurança - O Sol Diário

Feminicídio08/08/2017 | 21h59Atualizada em 09/08/2017 | 09h16

"Cadê mamãe?", pergunta filha da mulher morta a facadas em Biguaçu

Relato do drama da menina de 3 anos foi dado nesta terça-feira pela vizinha que está cuidando da criança, em audiência pública na Alesc

"Cadê mamãe?", pergunta filha da mulher morta a facadas em Biguaçu Angela Bastos / Agência RBS/Agência RBS
Foto: Angela Bastos / Agência RBS / Agência RBS
Ângela Bastos

– Mamãe, papai, chão, faca.

Foi com as quatro palavras e as roupas respingadas de sangue que a menina de três anos contou como viu a mãe sendo assassinada. O crime foi cometido domingo pela manhã, no bairro Bom Viver, em Biguaçu. Quem deu as quatro facadas em Viviane Monteiro, 35 anos, foi Isaque Costa, 32 anos, marido dela e pai da criança que ainda mamava no peito e agora pergunta:

– Cadê mamãe?

O feminicídio aconteceu depois de uma briga. Ciúmes da mulher foi a causa, contou à polícia o próprio criminoso que não foi preso em flagrante, se apresentou no dia seguinte à polícia e se encontra em liberdade. Na casa também morava a outra filha de Viviane, uma adolescente de 16 anos que viu a mãe receber o golpe derradeiro. Quando chegou na cozinha ela conseguiu ouvir as últimas palavras:

– Minha filha.

Desde o momento do crime as irmãs estão abrigadas na casa de uma vizinha. Nascida de outro relacionamento, quando Viviane tinha 19 anos, a adolescente está assustada. Não consegue ficar só, pede que os portões da casa sejam mantidos fechados e não sabe quando volta para a escola.

Os detalhes do crime foram contados na manhã desta terça-feira em uma audiência pública na Assembleia Legislativa. O objetivo do encontro era  discutir a  Construção do Pacto Estadual Maria da Penha e envolveu a Comissão de Direitos Humanos, a Bancada Feminina e o Conselho Estadual dos Direitos da Mulher (Cedim/SC).

Quem fez o relato foi Grasiela Chaves Aires Rodrigues. O choro incessante marcou a fala da moça que pedia ajuda jurídica. Grasiela é nora de Roseli Ivete da Silva Rodrigues, a vizinha que abriga as irmãs. A intenção de Roseli é obter a guarda das meninas. A bancada feminina faz a articulação junto à Defensoria Pública e ao Ministério Público. 

A ideia é que isso ocorra via apadrinhamento afetivo, um programa voltado para crianças e adolescentes que vivem em situação de acolhimento ou em famílias acolhedoras, com o objetivo de promover vínculos afetivos seguros e duradouros entre eles e pessoas da comunidade que se dispõem a ser padrinhos e madrinhas. Pelo menos até uma decisão final da Justiça acerca do destino das crianças.

O defensor público Edison Schmitt foi designado para acompanhar o caso.  À tarde houve uma audiência no Ministério Público de Biguaçu. Os objetivos são diferentes. A Defensoria Pública quer atuar para que as irmãs permaneçam juntas. Existe preocupação com isso, já que a menina menor tem avós paternos e outros familiares que poderão tentar cuidar dela. Diferente da adolescente, que não tem vínculo de afetos com a família do pai biológico.  A conversa com o MP teve outra finalidade: que sejam pedidos esclarecimentos à polícia sobre os motivos de Isaque Costa estar em liberdade mesmo diante do femimicídio.

Leia também:

Audiência pública conclui que SC desconhece a realidade de violência contra mulher

Homem confessa ter matado mulher na frente das filhas, em Biguaçu

Mulher é morta pelo marido na frente das filhas em Biguaçu, na Grande Florianópolis

Ao completar 11 anos, Lei Maria da Penha ganha "contador" de agressões

SC é o segundo Estado menos violento para mulheres no Brasil, aponta Ipea

Ação conjunta é fundamental para enfrentar violência contra mulher no campo

"Sozinhas: histórias de mulheres que sofrem violência no campo" apresenta relatos de solidão, agressões e humilhação

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioJunior Dutra é dúvida do Avaí para jogo contra o Atlético-PR, na Ressacada https://t.co/xTQnSAcZelhá 28 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioCatarinenses conhecem adversários na Copa São Paulo de futebol júnior de 2018 https://t.co/vCWXWrnVANhá 2 horas Retweet

Veja também

O Sol Diário
Busca