Estado identifica três novas facções um ano após os atentados - Segurança - O Sol Diário
 
 

 
 

Vácuo do crime19/10/2013 | 13h31

Estado identifica três novas facções um ano após os atentados

Inteligência detectou movimentação criminosa em cadeias catarinenses

Estado identifica três novas facções um ano após os atentados Cristiano Estrela/Agencia RBS
Penitenciária de São Pedro de Alcântara: um dos lugares com nova facção Foto: Cristiano Estrela / Agencia RBS

No vácuo do golpe ao Primeiro Grupo Catarinense (PGC), desmobilizado moralmente e abalado financeiramente, criminosos se articulam para preencher espaço e tentam criar novas facções dentro do sistema prisional no Estado.

A movimentação é acompanhada por setores de inteligência, que identificaram três novas organizações em fase embrionária. Todas na faixa litorânea de Santa Catarina e de oposição ao PGC.

Nenhuma delas têm mais 300 detentos (veja mapa ao lado). Investigadores não dão detalhes sobre o trabalho, que ocorre em sigilo com o argumento de que a divulgação de qualquer informação pode atrapalhar o combate aos bandos.

A Secretaria de Segurança Pública garante que o Estado está trabalhando para evitar que elas ganhem corpo. Acrescentou que o aparato montado para responder às ondas de atentados a ônibus e unidades policiais entre novembro de 2012 e fevereiro deste ano foi mantido e reuniões entre agentes de inteligência de todos os órgãos da área são realizadas semanalmente.

Há ainda a criação da Divisão de Repressão ao Crime Organizado (Draco) na Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic), que monitora alvos. Alguns são ex-líderes do próprio PGC que saíram do bando após desavenças internas.

O trabalho ainda mira o PGC, mesmo que a facção esteja enfraquecida e com pouco poder financeiro, uma vez que ela não está totalmente debelada. Operações da Polícia Civil foram desencadeadas para cortar elos de comunicação com a Penitenciária Federal de Mossoró, onde estão os líderes, e rastrear contas bancárias abastecidas com o dinheiro arrecadado pelos soldados que seguem a serviço da facção.

O Primeiro Comando da Capital (PCC), de São Paulo, aparecia como principal ameaça a Santa Catarina após a derrocada do PGC porque tem dinheiro, armas e acesso direto aos fornecedores de drogas da Bolívia e Paraguai, pois o tráfico ainda é a maior fonte de financiamento do crime organizado.

A prevenção do governo catarinense contra a quadrilha paulista começou junto com o combate ao PGC. Razão pela qual entre os 40 transferidos em fevereiro 37 seguiram para Mossoró (RN) e três para Porto Velho (RO).

O trio não tinha nada a ver com os atentados e muito menos com o PGC. Eram chefes do PCC no Estado e foram enviados ao sistema penitenciário federal para evitar que articulassem ofensiva no sistema prisional local. Ocorre que os argumentos para justificar as transferências eram fracos e continham até informações de um inquérito produzido em 2006.

Os três voltaram para Santa Catarina um mês depois. Para o Estado, foi positiva a remoção, pois evitou que aproveitassem o espaço vazio.

Todo esse cenário de resposta ao crime organizado veio à tona após o assassinato da agente prisional Deise Alves, 30 anos, a mando do PGC.

O homicídio completa um ano no próximo sábado. Considerado o estopim para o que viria a ser a maior afronta dos bandidos ao Estado, é um dos capítulos emblemáticos da história recente de Santa Catarina por ter desencadeado a violência que, das cadeias, tomou as ruas.

As novas quadrilhas

Levantamento mostra onde estão as facções criminosas que tentam aumentar o poder dentro do sistema prisional catarinense com o enfraquecimento do PGC.

Todas são pequenas, mas mostram bastante união e capacidade de cobrar as mensalidades exigidas dos integrantes, algo que o PGC não conseguiu manter após os atentados e contribuiu para que ele perdesse força.

Força Revolucionária Catarinense (FRC)

Criada como Serpente Negra no Raio 1 da Penitenciária de São Pedro de Alcântara. No final de 2012 mudou de nome, mas manteve o mesmo líder, Davi Schroeder, o Gângster. Ele foi fundador do PGC e traiu a organização com um depoimento chave para a transferência dos rivais para penitenciárias federais em fevereiro deste ano. O lema dele é que a "firma visa o bem do ladrão" e que "quem fica batendo de frente é cabeça de lata".

Filiados: 300

Presença: Penitenciária de São Pedro de Alcântara

Primeiro Comando Revolucionário Catarinense (PCRC)

Facção de oposição ao PGC fundada no ano passado dentro do Presídio de Joinville. Conseguiu expandir a ação filiando alguns detentos na Penitenciária Industrial de Joinville. O número de integrantes é limitado, mas são bem coesos, pois a maioria pertence a quadrilhas criminosas que agem em Santa Catarina. As regras e deveres da organização estão estabelecidas em um estatuto, assim como o PGC.

Filiados: 200

Presença: Presídio de Joinville e Penitenciária Industrial de Joinville

País Livre SC (PL-SC)

Antigo Comando de Balneário Camboriú, uma cadeia em que o PGC nunca conseguiu entrar. Com a extinção da unidade prisional, os integrantes foram para a Penitenciária da Canhanduba, em Itajaí, e dominaram uma galeria. Tentaram expandir a área de influência para outras prisões, principalmente a Penitenciária Sul, em Criciúma, uma das mais seguras do Estado. Tiveram pouco sucesso.

Filiados: 150

Presença: Penitenciária da Canhanduba (Itajaí) e Penitenciária Sul (Criciúma)

Primeiro Comando da Capital (PCC)

Considerada uma das organizações mais poderosas do Brasil, está presente em Santa Catarina desde a metade da última década. Mesmo com o poder em São Paulo, não comanda nenhuma cadeia catarinense. Mas domina o tráfico de drogas no Norte da Ilha, em Florianópolis, e está presente também em cidades do Norte do Estado, como Joinville e São Francisco do Sul. Muitos integrantes já eram filiados quando chegaram ao sistema prisional e outros foram batizados no Paraná.

Integrante: 250

Presença: Joinville e São Pedro de Alcântara

DIÁRIO CATARINENSE

Notícias Relacionadas

Caso Deise Alves 28/08/2013 | 11h16

Preso diz que houve tortura na cadeia antes da morte de agente

Líderes do PGC são ouvidos por videoconferência em São José

Caso Deise Alves 27/08/2013 | 21h29

Preso por morte de agente denuncia espancamentos e ameaças de morte

Fabrício da Rosa, do Morro do Horácio, pediu proteção em depoimento à Justiça.

Caso Deise 26/08/2013 | 20h37

Advogada considerada elo de comunicação do PGC ganha liberdade provisória

Fernanda Fleck Freitas está sendo julgada por envolvimento na morte da agente Deise Alves

No Fórum 12/07/2013 | 15h47

Justiça ouve testemunhas de assassinato de Deise Alves, em São José

Delegada diz que agente penitenciária foi morta no lugar do marido Carlos Alves

Fórum de São José 11/07/2013 | 07h02

Começam nesta sexta-feira audiências de julgamento de acusados de matar agente

Presos do PGC serão interrogados por videoconferência.

Facção criminosa 25/01/2013 | 13h33

Advogada envolvida na morte da agente Deise Alves é encaminhada à Deic, em Florianópolis

Fernanda Fleck Freitas não estava algemada e tinha uma toalha preta cobrindo o rosto

Saída com autorização 17/01/2013 | 07h01

Foragido pela morte da agente penitenciária ganhou liberdade um mês antes do crime

Rafael de Brito, o Schrek, é procurado por envolvimento no assassinato

O inquérito 16/01/2013 | 07h02

As 10 linhas do bilhete que ajudou a polícia a esclarecer morte de agente penitenciária

DC teve acesso a carta apreendida com preso que teria atirado em Deise.

Caso Deise Alves 15/01/2013 | 07h02

Carta de detento ajuda a identificar mandantes da morte da agente

Lista dos 12 indiciados pelo assassinato inclui líderes da facção criminosa Primeiro Grupo Catarinense

Inquérito concluído 12/01/2013 | 13h31

Investigação liga a morte de Deise Alves a líderes do Primeiro Grupo Catarinense

Dois presos, desafetos do marido da agente penitenciária, são considerados mandantes

Caso Deise  01/12/2012 | 06h12

Erro compromete perícia no caso da agente penitenciária Deise Alves

Laudos do IGP apontam falta de preservação do local do crime, ocorrido dia 26 de outubro, em São José

Sistema prisional 12/11/2012 | 23h42

Presos gravam ação de agentes dentro de cela na Penitenciária de São Pedro de Alcântara

Deap diz que operação foi legítma e que não houve violência. Promotora abre investigação.

Atentado à segurança 30/10/2012 | 16h03

Polícia prende três suspeitos de participar do homicídio de agente prisional

Maiores detalhes serão divulgados nesta tarde na Deic, para onde else foram levados

Segurança ameaçada 29/10/2012 | 12h53

Morte de agente prisional na Grande Florianópolis não intimida a polícia, diz governo catarinense

Força tarefa trabalha na tentativa de identificar assassinos de Deise Fernanda Melo Pereira Alves

Atentado à segurança 28/10/2012 | 21h52

Inteligência do governo de SC sabia desde 2010 sobre ameaças de morte à agente e diretor de penitenciária

A ordem de execução da agente teria partido de dentro da penitenciária na sexta-feira pela manhã

Atentado à segurança 27/10/2012 | 19h59

Policiais suspeitam que menores de idade possam ter matado Deise Alves seguindo ordens de presidiários

Durante enterro, grupo de policiais analisou fotografias de suspeitos pela morte da agente

Morte de agente 27/10/2012 | 17h28

Enterro de agente assassinada foi cercado de policiais armados em São José

Corpo de Deise Alves foi enterrado na tarde deste sábado no cemitério de Barreiros

Violência na Grande Florianópolis 27/10/2012 | 15h11

Perfil: agente penitenciária assassinada fazia parte da secretaria de Segurança Pública há 10 anos

Deise Alves era casada com diretor da penitenciária em São Pedro de Alcântara e não tinha filhos

 

Veja também

O Sol Diário
Busca